AgendaBR2019-stories

 

Todas as projeções desta VIII edição do Agenda Brasil serão realizadas no MIC, Museo Interattivo del Cinema. A sala e o terraço da antiga Manifatture Tabacchi sediarão as exibições dos filmes, debates e momentos musicais.

O cinema será uma oportunidade para fazer um apanhado sobre a cultura e sobre o mar de lava incandescente que continua sendo a sociedade brasileira.
Um júri composto por profissionais de cinema atribuirá um prêmio para o melhor filme e para o melhor documentário, mas o público também poderá votar nos seus filmes preferidos.

Filmes exibidos em língua original com legendas em italiano.

MIC Museo Interattivo del Cinema
Viale Fulvio Testi 121
Tipos de entrada
Inteira € 6,50

Meia € 5,00
Criança+adulto € 7,00
(descontos: Cinetessera, menores de 14 anos, estudantes universitários, Touring Club Júniores e Adultos, Milan ID card, Carteira do FAI).
Jovens entre 16 e 19 anos completos: Entrada gratuita
Cartão para 5 exibições: € 25,00

Trailer do festival

PROGRAMAÇÃO

Segunda-feira, 8 de julho

19.30 h Brinde de inauguração

21.00 h O beijo no asfalto (Brasil, 2018, 98’) de Murilo Benício, baseado na obra de Nelson Rodrigues. Arandir, um jovem bancário recém-casado, socorre um homem atropelado por um ônibus. O homem, à beira da morte, expressa o seu último desejo: um beijo. Arandir beija o homem e o seu gesto é visto pelo sogro Aprígio e fotografado por um repórter sensacionalista. O repórter incita a polícia a investigar sobre uma eventual relação entre Arandir e o morto. Com Fernanda Montenegro, Lázaro Ramos, Débora Falabella, Augusto Madeira, Otávio Müller, Luiza Tiso, Amir Hadad, Stênio Garcia, Raquel Fabri, Marcelo Flores e Arlindo Lopes.
Filme em competição.

Terça-feira, 9 de julho

17.00 h Tente entender o que tento dizer (Brasil, 2018, 80’), de Emília Silveira. O dia-a-dia de seis personagens soropositivos provenientes das mais variadas classes sociais, profissões, orientações sexuais e religiosas. Um documentário sobre as barreiras erguidas pela AIDS. Em contraponto à desinformação, o filme mostra que a vida é generosa em termos de possibilidades e alternativas.
Documentário em competição.

 

19.00 h Ayahuasca, a expansão da consciência (Brasil, 2018, 73’), de Fausto Noro. A controvertida bebida ‘Ayahuasca’, contada através da experiência pessoal do diretor. O documentário proporciona uma visão científica, espiritual e antropológica da utilização da Ayahuasca’, desde as origens na floresta Amazônica até a chegada nos grandes centros urbanos. Documentário em competição. 
O diretor da fotografia estará presente

 

 

21.00 h Inferninho (Brasil, 2018, 82’) de Guto Parente e Pedro Diogenes. Deusimar é a dona do ‘Inferninho’, uma boate onde se escondem desejos e sonhos nunca realizados.  O sonho de Deusimar é deixar tudo para trás e ir embora, enquanto Jarbas, um marinheiro recém-chegado, sonha em lançar âncora e fincar raízes. O amor entre os dois transformará completamente a vida do ‘Inferninho’. Com Yuri Yamamoto, Demick Lopes, Samya de Lavor, Rafael Martins, Tatiana Amorim, Paulo Ess, Galba Nogueira, Pedro Domingues e Gustavo Lopes. Multipremiado no Janela do Recife Festival Internacional de Cinema, no Queer Lisboa Film Festival e no Rio de Janeiro Festival Internacional de Cinema.
Filme em competição.

Quarta-feira, 10 de julho

17.00 h Seleção de curta metragens em colaboração com FESTin – festival de cinema itinerante dedicado à lusofonia, com produções brasileiras e portuguesas.
A Casa Amarela (
Portugal, 2018, 7’) de Ana Lopes.
A mulher que eu era (
Brasil, 2018, 11’) de Karen Suzane
Às vezes sou pessoa, às vezes sou dinossauro (
Portugal, 2018, 14’) de Rosana Soares
Avesso (
Portugal / Brasil, 2018, 9’) de Francisco Colombo
A Viagem de Ícaro (
Brasil, 2018, 19’) de Kaco Olimpio e Larissa Fernandes
Bruma (P
ortugal, 2018, 6’) de Sofia Cachim, Gabriel Peixoto, Mónica Correia, Daniela Santos
Grito (
Brasil, 2018, 6’) de Luiz Cassol
Ruptura (
Portugal, 2018, 15’) de Gonçalo Santos

19.00 h Aurora 1964 (Brasil, 2017, 106’), de Diego Di Niglio. Um país em plena crise democrática, marcado por conflitos políticos e sociais, é o pano de fundo da narração dos personagens cuja vida foi marcada pelo regime militar instaurado após o golpe de estado de 1964. Um exercício de memória que constrói pontes entre a história brasileira dos séculos XX e XXI. Prêmio pelo roteiro na 2ª edição da Mostra Nacional Sesc de Cinema.
Documentário em competição.
O diretor estará presente

 

21.30 h O banquete (Brasil, 2018, 104’) de Daniela Thomas. No jantar entre amigos para festejar o seu aniversário de casamento, um poderoso editor corre o risco de ser preso por ter publicado uma carta aberta com graves acusações contra o Presidente da República. Jogos de poder, reviravoltas e erotismo estão servidos e o jantar pode se transformar numa armadilha. Com Drica Moraes, Mariana Lima, Caco Ciocler, Rodrigo Bolzan, Fabiana Gugli, Gustavo Machado, Chay, Bruna Linzmeyer, Georgette Fadel.
Filme em competição.

Quinta-feira, 11 de julho

17.00 h Krenak (Brasil, 2017, 74’) de Rogério Corrêa. O filme conta a história da resistência do povo indígena Krenak desde 1808, data de chegada de Dom João VI no Brasil, até o desastre ambiental do Rio Doce, causado pela quebra da barragem de lama e minério em Mariana, em 2015. Vencedor do prêmio Olhares e Enquadramentos do Festival Rios de Lisboa em 2018.

19.00 h Yonlu (Brasil, 2017, 88’) de Hique Montanari. Vinícius, pseudônimo Yonlu, fala quatro línguas, desenha, escreve poesias em inglês e é um sucesso com as suas músicas na Internet. Contudo, se sente deslocado e incapaz de enfrentar a vida. Aos 16 anos, num momento de extrema fragilidade, busca o apoio dos internautas de um site especializado em estratégias de suicídio.  Com Thalles Cabral, Nelson Diniz, Liane Venturella, Leonardo Machado. Melhor filme brasileiro no Int’l Film Festival de São Paulo em 2017; Melhor Filme e Prêmio da Imprensa no 9º Cinema da Fronteira Int’l Film Festival Bagé em 2017 e Prêmio Abraccine de Melhor filme brasileiro em 2017; Multipremiado no New Renaissance Film Festival de Amsterdam 2019.
Filme em competição.

21.00 h Beiço de estrada (Brasil, 2018, 105’) de Elièzer Rolim. No Nordeste brasileiro, rústico, árido e selvagem, Madame Lili é a dona de um antigo bordel, o Beiço de Estrada, onde prostituiu as suas três filhas. Agora é avó, tem dois netos e deseja que tenham uma vida melhor do que a de suas mães. A chegada de um antigo frequentador abrirá um novo ciclo para o Beiço de Estrada. Com Darlene Glória, Jackson Antunes, Mayana Neiva, Luana Valentim, Rique Messias. Multipremiado no Festival de Cinema Aruanda em João Pessoa.
Filme em competição.
O diretor e o produtor estarão presentes

Sexta-feira, 12 de julho

17.00 h Soldados do Araguaia (Brasil, 2017, 72’), de Belisario Franca. O documentário dá voz, pela primeira vez na história, aos ex soldados do exército brasileiro que combateram as sanguinárias batalhas da Guerrilha do Araguaia durante a ditadura militar. Do recrutamento nas pequenas comunidades rurais até o afastamento do exército após o extermínio dos ativistas do partido comunista, a narrativa dos ex soldados traz à luz uma página pouco lida da história recente do Brasil. Vencedor do Prêmio Nacional dos Direitos Humanos na categoria documentários.
Documentário em competição.

19.00 h Sem descanso (Brasil, 2018, 78’) de Bernard Attal. Agosto 2014. Geovane, um jovem da periferia de Salvador,  é detido por uma patrulha da PM em plena luz do dia e desaparece. O pai do rapaz, com a ajuda do jornal local, fará todo o possível para encontrar seu filho. Vencedor do Prêmio OAB de Jornalismo.
Documentário em competição.
O diretor estará presente

 

21.00 h Alguma coisa assim (Brasil / Alemanha, 2017, 80’) de Esmir Filho e Mariana Bastos. O filme conta a história de Caio e Mari, dois jovens adultos cuja relação vai além de qualquer definição. A trama atravessa um período de 10 anos da vida do casal, em vários momentos  em que seus desejos divergem e o relacionamento passa por duras provas. Uma reflexão sobre a sexualidade, sobre as etiquetas e sobre como o tempo marque e transforme os encontros. O filme é a evolução do curta-metragem homônimo, premiado na 45ª Semana da crítica do Festival de Cannes de 2006 e foi realizado com os mesmos atores do curta. Com Caroline Abras, André Antunes, Clemens Schick, Juliane Elting e Knut Berger.
Filme em competição.

Sábado, 13 de julho

15.00 h Seleção de Curtas em colaboração com FESTin – festival de cinema itinerante dedicado à lusofonia, com produções do Brasil e de Portugal. Vide quarta-feira, 10 de julho 17.00 h.

17.00 h George Hilton: o mundo é dos audazes (Brasil/Itália 2019, 106’) de Daniel Camargo. Biografia de George Hilton, um astro do cinema italiano dos anos 60 aos anos 80. Hilton deixou a sua família abastada no Uruguai, aventurou-se na Itália e tornou-se protagonista de filmes ‘spagetthi western’, de filmes policiais, de suspense e outros gêneros de cinema popular.
O diretor e o produtor estarão presentes.

Em seguida
Percursos de atores através do Oceano: George Hilton na Itália, Adolfo Celi no Brasil.
Encontro com Alessia Casteni, Daniel Camargo e Marco Palazzini.

19.30 h Clementina (Brasil, 2018, 75’) de Ana Rieper. Clementina de Jesus se destaca na história da música brasileira pela sua voz excepcional, pelos seus textos poéticos, pela percussão mais eloquente e pelo repertório religioso africano. Neta de escravos, com o seu canto traz à tona toda a alegria, a força e o drama da condição dos negros no Brasil. Vencedor do Troféu Aruanda pela melhor personagem feminina de 2018. Documentário em competição.

Em seguida
Aperitivo no terraço com DJ set de Monica Paes. Para participar é necessário apresentar o ingresso para o filme das 19.30 h ou das 21.30 h.

21.30 h Tungstênio (Brasil, 2017, 71’) de Heitor Dhalia. Baseado na graphic novel de Marcelo Quintanilha. Salvador, Bahia. Um sargento aposentado busca ajuda para prender dois homens que pescam usando dinamite. Encontrará o apoio de um traficante que deve um favor a um policial, mas nada vai sair como previsto. Com Fabrício Boliveira, Samira Carvalho, José Dumont, Wesley Guimarães, Pedro Wagner.
Filme em competição.

 
 

Domingo, 14 de julho

15.00 h Krenak (Brasil, 2017, 74’) de Rogério Corrêa. Vide Quinta-feira, 11 de julho 17.00 h.

17.00 h Il canto del mare (França, 2017, 44’) de Claudia Neubern. Um velho pescador vive numa praia afastada. Um dia encontra uma cantora lírica que, como uma sereia, descansa na areia. Naquele lugar fora do mundo o pescador e a cantora partilharão alguns momentos: uma canção, uma pescaria no mar, uma refeição… e pouco a pouco a solidão desaparecerá.
A diretora e a atriz protagonista estarão presentes.

19.00 h Cerimônia de premiação com entrega dos Prêmios do Júri e Prêmios do Público.

Em seguida, projeção de:

Chorar de rir (Brasil, 2019, 104’) de Toniko Melo. Nilo Perequê é o cômico mais famoso do país, além de ser o ‘astro’ do programa da TV ‘’Chorar de Rir’’. Após ter ganho um prêmio muito importante, resolve dar uma reviravolta na sua carreira e dedicar-se ao gênero dramático. A sua família e o seu empresário ficam desesperados e, o que a Nilo parecia fácil, acaba se tornando um verdadeiro desafio, quando perceberá que não consegue deixar de ser engraçado. Com Leandro Hassum, Otávio Müller, Monique Alfradique, Jandira Martini, Perfeito Fortuna.

 

Quinta-feira 11 de julho de 2019 das 15 às 18h

Mecanismos de Coprodução Audiovisual entre Itália e Brasil
Workshop
destinado a produtores italianos sobre as linhas de  financiamento da ANCINE para co-produções audiovisuais.

Ministrado por Juliano Vianna, chefe de gabinete, Gabinete do Presidente da ANCINE.

 

15.30 – Credenciamento dos participantes
16 – Abertura com introdução de Regina Nadaes Marques, diretora do Agenda Brasil – Festival Internazionale di Cinema Brasiliano; Embaixador Eduardo dos Santos, Cônsul-Geral do Brasil em Milão; Claudia Di Lascia – Represetante da AGICI Nord Ovest.
16.15 – Apresentação ANCINE – aspectos da gestão estratégica e mecanismos do FSA para co-produções internacionais
17.15 – Conclusões, perguntas e respostas
A seguir, aperitivo e networking

 

 

Em colaboração com A.G.I.C.I. – Associação Geral das Indústrias Cine-audiovisuais Independentes e MIC Museo Interattivo del Cinema.

Agenda Brasil é um evento organizado pela Associação Cultural Vagaluna e produzido por  Christoffel Promoções e Produções

Direção: Regina Nadaes Marques
Equipe no Brasil: Vita Christoffel, Cristiana Giustino, Leandro Salomão
Equipe na Itália: Marcella Baraldi, Thays de Campos, Arianna Forti, Federico Gualano, Marco Palazzini
Estagiários e voluntários: Beatriz Borges, Gaia Calabrò, Claudia Capanema, Cintia Dornelles, Eugenia Greco, Luzia Pinto, Mariana Ribeiro
Seleção dos filmes: Marcella Baraldi, Deborah Carvalho, Cristiana Giustino, Regina Nadaes Marques, Luci Macedo, Marco Palazzini
Júri da seção de competição dos filmes: Gabriele Marcello, Raoul Simoni, Celia Tolentino
Júri da seção de competição dos documentários: Anna Glogowski, Claudia Neubern, Saverio Zumbo
Apresentações: Alessia Casteni, Monica Paes, Marco Palazzini, Francesca Perilli
Assessoria de Imprensa: Paula Acosta – Comunicazione Carioca
Assessoria Técnica: Fabrizio Fini
Projeto gráfico: Andrei Aguiar
Traduções e legendas dos filmes: Francesco Ambrosini, Gian Luigi De Rosa, Federica Dell’Oro, Forword, Unisalento-Summer school of audiovisual translation (Marzia Buttazzo, Alessia Fiorentino, Caterina Varasano, com a supervisão de G. L. De Rosa)
Teaser: Montagem – Fabrizio Fini. Música – Rinaldo Donati e Fernando Barreto
Fotógrafo: Michelangelo Princiotta
Realização dos prêmios: Rinaldo Donati

 

Agradecemos a todos os diretores e produtores dos filmes, todos os voluntários e todos aqueles que apoiam a Associação Vagaluna.